Viril

— Viu como sou macho?
— Vi sim. Agora vira que é minha vez.

Esquartejador de aluguel

Divido em 12 vezes. O preço também.

Chuva

A chuva enche o saco de uns, a rua de outros.
Só não enche os reservatórios pelo visto.

Concordância

eu, tu, ele
nós, vós, eles
todos concordamos
que amar
jamais deveria
ser conjugado
no passado.

Valia

– Tudo bens?
– Tudo joia!

[em parceria com Felipe Valério]

Desbenefício

Todo dia a catraca desconta dezoito reais de seu bilhete e seis25 horas de sua vida.

Pechincha

Terra a vista. 1500, em dinheiro vivo.

 

14h45

As pernas afastadas marcavam quinze para as três e o dedo entre elas girava suavemente no sentido anti-horário. Cláudia nem viu o tempo passar.

É mais fogo

esquenta quando ela tenta
ferve quando ela ama
queima quando ela teima
arde quando ela chama

é foda quando ela chega
é fogo quando ela cama
é pouco quando ela deixa
é muito quando ela inflama

é tacho eu acho é queixa
mas facho quando ela mama
é lama quando deseja
sou trama ela melodrama.

[o amigo e poeta Victor Rodrigues deu mais versos ao poema É fogo]

Queria

tanto quis
que hoje só quer
não querer mais.

Umazinha

Antecipou-se ao porteiro do puteiro:
– Só quero dar uma… olhadinha.

Surgir

dá vontade
de sumir
mas aí
você aparece.

É fogo

esquenta quando ela tenta
ferve quando ela ama
queima quando ela teima
arde quando ela chama.

Casaco

Durante o dia ele a envolvia com seu calor.
À noite, ela o traia com o cobertor.

Calendário

Odeio dias corridos.
Prefiro os úteis.

Queda

Se desequilibrou e crack!
Caiu nas drogas.

Linha Ver-molha

É só chover que a Barra aFunda. E nem com ordem de Marechal Deodoro ou milagre da Santa Cecília a chuva hesita em pingar nos quartos da minha República, guardando água suja no meu AnhangaBaú. Mas Sé em Deus que tudo melhora. E molha. Até o peito do pé do Pedro II. Molha também os confinados do  BBB: Brás, Bresser e Belém. Molha eu e tu. E se Tá-tu-a-pé, vai se molhar mais do que quem tá de Carrão. Uma Penha. Vi lá a Matilde, pra ela a chuva dá medo. Pra Dona Guilhermina, Esperança. Ó Patriarca amado, por que faz isso? Logo hoje. Assim meu convidado Artur Alvim logo vai querer voltar. E não vai nem poder ver como era a nossa querida Corinthians-Itaquera. Ô, Seu Metrô, por favor, fica aqui mais uma reclamação minha. Pois é só chover que o trem todo fica vagão. E eu, na trilha de anfitrião, acho isso o fim da linha.

Números

O vizinho do 14 só tem 18, mas já é 171.

Rotina

Sua vida se divide entre os bons momentos e o trabalho.

Em cartaz

O Suicídio
(única apresentação)

Vida Cigana
(local a definir)

Alegria de Pobre
(curta duração)